Exercícios sobre velocidade média, aceleração, movimento retilíneo uniforme e movimento retilíneo uniforme variado para o 9º ano com respostas

01) Um ônibus está a 40 km/h. seus passageiros estão em movimento ou não? Explique.

Os passageiros estão: em movimento em relação a um referencial no ambiente externo ( calçada, edificações, postes); em repouso em relação ao ônibus no qual viajam.

02) Como calculamos a velocidade média de um corpo?

Calculamos a velocidade de um corpo dividindo a distância que ele percorreu pelo seu tempo de percurso. 

03) Um guepardo percorreu 81 m em aproximadamente 3 s. Calcule a velocidade que ele desenvolveu.

O guepardo desenvolveu a velocidade de 27 m/s:

04) o que anda mais rápido: um carro a 20 m/s ou um ônibus a 54 km/h?

O carro é mais rápido: 20 m/s . 3,6 = 72 km/h

05) Um trem com velocidade média de 60 km/h durante 1,5 h. Qual foi a distância percorrida nesse tempo?

A distância percorrida pelo trem foi de 90 km/h

06) Um ônibus que percorreu 1,5 km a 54 km/h gasta quanto tempo nesse percurso?

Nesse percurso o ônibus gasta aproximadamente 1,7 min.

07) Quantos minutos um raio de luz solar demora para chegar à Terra ( A distância do Sol à Terra é de aproximadamente 150.000.000 km e a velocidade da luz é de 300.000 km/s.

Um raio de luz demora 8,33 min para chegar à Terra.

08) Imagine que você esteja num carro em movimento. Responda:

a) Que evidências indicam que o veículo está ou não em movimento acelerado?

Dentro do carro pode-se perceber o aumento da velocidade basicamente de duas formas: observando o velocímetro ou a paisagem, " que começa a passar mais rapidamente".

b) Um observador fora do carro pode perceber o mesmo que você? por que?

Sim, mas usando outros referenciais. O observador pode perceber que o carro acelera se este percorrer distâncias cada vez maiores a cada intervalo de tempo.

09) Indique as semelhanças e diferenças entre o movimento retilíneo uniforme e o movimento retilíneo uniformemente variado.

Ambos os movimentos constituem mudanças de posição no espaço em relação a um referencial externo e ocorrem em linha reta, mas um é uniforme (MRU), isto é, a velocidade é constante, pois não existe aceleração; no MRUV a aceleração é diferente de zero e, portanto, há variação de velocidade.

10) Um foguete espacial chega a atingir 600 m/s nos primeiros 20 s após o lançamento. Qual é a aceleração média do foguete?

A aceleração média do foguete é de 30 m/s².

11) Considere dois carros partindo do repouso ( v = 0 ). Qual dos dois possui maior aceleração: O carro A, que vai de 0 a 80 k/h em 10 s, ou o carro B, que vai de 0 a 25 m/s em 10 s?

O carro B possui maior aceleração ( 2,5 m/s² ) que o carro A ( aproximadamente 2,2 m/s²)

12) Um ônibus que desloca em linha reta a 18 m/s levou 6 segundo para parar completamente diante de um sinal vermelho. Calcule a aceleração do ônibus e interprete o resultado.

A aceleração do ônibus é de - 3m/s², ou seja, a cada segundo ele diminui a velocidade em 3 m/s² até parar.

13) Um avião a jato a 250 m/s sofre uma aceleração de - 10 mm/s² por um período de 3 s. Qual a velocidade dele no final desse período?

Sua velocidade diminui passando a 220 m/s.

14) Um movimento é representado matematicamente pela equação S = 6 - 5t + t², sendo a posição dada em metros e o tempo em segundos. Identifique:

a) a posição do móvel;     6 m
b) a velocidade inicial;    - 5 m/s
c) a aceleração;                2 m/s²
d) a posição no instante t = 4 s ;  t = 4 é 2 m
e) a posição no instante t = 7 s; t = 7 s é 20 m
f) a equação da velocidade em função do tempo. v = - 5 + 2t 

15) Um objeto apresenta um movimento que pode ser expresso pela equação v = 8 + 2t. A velocidade é dada em m/s e o tempo em segundos. Indique:

a) a velocidade inicial do móvel;  8 m/s
b) a aceleração;                              2 m/s²
c) a velocidade no instante t = 17 s;  t = 17 s é 42 m/s
d) o instante em que a velocidade atinge 18 m/s.  t = 5 s

16) Um automóvel estava a 72 km/h quando foi freado à aceleração constante de -2 m/s². Qual o deslocamento durante os primeiros 4 s após a frenagem?    64 m



Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática

Velocidade animal e velocidade tecnológica

  * VELOCIDADE ANIMAL   

Alguns animais locomovem-se de maneira relativamente lenta, como é o caso do caracol, que leva cerca de 2 horas para percorrer uma distância de 100 metros.

     O mais veloz entre os mamíferos terrestres é o guepardo-africano, que pode atingir pouco mais de 100 km/h em corridas curtas. O cavalo atinge 70 km/h. O ser humano, numa corrida de 100 metros, alcança 40 km/h.
 
     Já entre as aves destacam-se seres como o falcão-peregrino e o andorinhão ou andorinha-coleira, que podem atingir velocidade de aproximadamente 200 km/h.

     Considerando os animais aquáticos, o peixe-vela e o peixe-espada estão entre os mais rápidos: chegam a nadar até cerca de 100 km/h.


* VELOCIDADE E TECNOLOGIA

     Estamos longe de ser incluídos entre os animais mais velozes do planeta. Mas os seres humanos aprenderam a desenvolver tecnologias que permitem superar suas limitações.

     No final do século XIX, por exemplo, os primeiros automóveis a usar gasolina como combustível desenvolviam velocidades em torno de 20 km/h. Daí em diante, os novos veículos foram sendo cada vez mais aperfeiçoados e atingiram velocidades cada vez maiores. Hoje em dia, os carros de corrida, como os da Fórmula 1 e da Fórmula Indy, são capazes de atingir velocidades acima de 350 km/h.

     E os aviões? Em 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont ( 1873 - 1932 ), percorreu com seu 14-Bis, 220 metros em 21,5 segundos, numa velocidade média de aproximadamente 37 km/h. sessenta e três anos depois, o Concorde - avião supersônico ( com velocidade acima da velocidade do som ) - atingia velocidades em torno de 2.200 km/h: a velocidade do som , no ar, ao nível do mar , é aproximadamente 340 m/s ou 1200 km/h. ( O Concorde foi desativado em 2003. )

     Entre as maiores velocidades já desenvolvidas pela engenhosidade humana destacam-se aquelas alcançadas pelas naves e foguetes espaciais. Em julho de 1969, a humanidade assistiu ao imponente foguete Saturno V lançar no espaço sideral, em direção à lua, a nave Apollo 11. No lançamento, o foguete atingiu a fantástica velocidade de aproximadamente 40.000 km/h ! Atualmente, um foguete espacial chega a atingir mais de 600 m/s nos primeiros 20 s após o lançamento.


Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática




Movimento retilíneo uniformemente variado ( MRUV )


     Quando um móvel mantém sua aceleração constante durante certo percurso, e se esse percurso for uma linha reta, se diz que ele executou um movimento retilíneo uniformemente variado (MRUV):

* movimento retilíneo porque, conforme o tempo passa, o móvel troca de posição em relação a um referencial, em uma linha reta;
* uniformemente variado porque sua velocidade varia de maneira uniforme, ou seja, po aceleração constante.

* FUNÇÕES HORÁRIAS DO MRUV

    Você viu que em em movimentos retilíneos uniformes a posição do móvel varia em função do tempo. Em movimentos retilíneos uniformemente variados, tanto a posição do móvel quanto a velocidade variam em função do tempo.

     Vamos determinar a função horária da velocidade no MRUV começando pela equação da aceleração:

     Em geral, consideramos t0 = 0 ( zeramos o relógio no inicio do movimento). Então:

                                                        v = v0 + at

     Essa equação corresponde à função horária da velocidade no MRUV.


     Existe uma equação que fornece a posição do móvel no intervalo de tempo nesse tipo de movimento. É a equação da função horária da posição no MRUV.

*S é a posição no t;
*Sé a posição inicial( posição no instante, t = 0);
*v0  é a velocidade inicial ( a velocidade no instante inicial);
*a é a aceleração do movimento.


                                                              Exemplos de problemas

01) Imóvel e agachado entre a relva um leopardo faminto espreita uma zebra. de repente ele sai em disparada, percorrendo uma linha reta com aceleração de 6 m/s². Considere que o leopardo, no instante t = 0, tenha partido da origem do sistema de coordenadas ( S = 0). qual será a posição dele 5 s após o início do movimento ( no instante t = 5 s )?

Resolução:

     Os dados são S0 = 0; v0  = 0; a = 6 m/s²; t = 5 s.
Queremos conhecer S para t = 5 s. Então , vamos substituir esses valores na equação:

      S = 0 + 0.5 + 1/2. 6.5²
      S = 0 + 0 + 1/2.6.25
      S= 1/2. 150
      S = 150/2
      S = 75 m

Resposta: No instante t = 5 s, o leopardo estará a 75 m da origem.

02) A zebra percebe a presença do leopardo instantes antes de ele começar a correr. No instante t = 0 ( momento em que o leopardo partiu), ela estava a 18 m dele. Ela foge e consegue uma velocidade inicial de 3 m/s em linha reta, com aceleração de 4 m/s². A zebra será capturada pelo leopardo  nesses 5 s?

Resolução: 

O problema fornece os seguintes valores:  S0 = 18 m; v0  = 3 m/s; a = 4 m/s² . Substituindo os valores na equação, obtemos:

S = 18 + 3 . 5 + 1/2 . 4.5²
S = 18 + 15 + 1/2. 4. 25
S = 18 + 15 + 1/2. 100
S = 33 + 50
S = 83 m

Resposta: 

No instante t = 5 s o leopardo estará a uma distância de 8 m da zebra ( 83 m  - 75 m ). Ou seja, ela não será capturada nos primeiros 5 s.



Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática





Movimento retilíneo uniforme ( MRU)

 * MOVIMENTO RETILÍNEO UNIFORME ( MRU )

Quando andamos de carro ou de ônibus, por exemplo, é muito provável encontrarmos algum semáforo fechado, valetas ou congestionamento. Logo, é difícil manter a velocidade do veículo o tempo todo num certo valor.

     Caso se consiga manter constante a velocidade de um móvel e ele percorra uma trajetória em linha reta, esse movimento é chamado de movimento retilíneo uniforme ( MRU):

* movimento porque, em relação ao referencial adotado, o móvel altera suas posições no espaço;
* retilíneo porque o móvel segue em linha reta;
* uniforme porque a velocidade do móvel é constante em todo o trajeto.

* FUNÇÃO HORÁRIA DO ( MRU )

     O movimento retilíneo uniforme tem uma função horária, isto é, uma equação em que a posição do móvel depende do tempo. Por meio dessa equação pode-se saber como as posições de um móvel variam durante o seu percurso.

     Vamos determinar a função horária com base no cálculo da velocidade média, que é 
     Como o movimento é uniforme, a velocidade é constante. Então, pode-se chamar Vm simplesmente de V e desenvolver a seguinte equação:


     Nessa equação:

*S é a posição do móvel em cada instante t;
S0 é a posição inicial do móvel ( no instante t = 0);
* v é a velocidade.

     Considerando que o móvel tenha começado seu movimento no instante em que t0 = 0, temos:


                                                                          S = S0 + vt

     Essa é a função horária ou equação horária do movimento retilíneo uniforme.

     Para facilitar a compreensão do que é uma função horária e entender sua utilidade, podemos pensar nela como uma " regra de previsão". Se soubermos certas informações, como a velocidade e a posição inicial de um trem, poderíamos "prever" onde ele estará em cada instante de sua viagem, mas essa previsão só vale se a velocidade do trem não mudar no caminho.

     Suponha que o movimento de um trem seja dada pela equação S = 3 + 50t ( posição em quilômetros, tempo me horas).

     Nessa equação, a posição inicial do trem é S0  = 3 km e a velocidade é v = 50 km/h. Para determinar as várias posições (S) ocupadas pelo trem durante o tempo(t) e substituir alguns valores para o tempo(t) e substituí-los na equação.

     Veja exemplos de valore nesta tabela:


Instantes(t)
Posições S = 3 + 50t (km)
0
S = 3 + 50(0)  S = 3
1
S = 3 + 50(1) → S = 53
2
S = 3 + 50(2) →S = 103
3
S = 3 + 50(3) → S = 153
4
S = 3 + 50(4) → S = 203


     No instante inicial ( t = oh ), o móvel está a 3 km da origem. Essa é a posição inicial do movimento S0 . A cada hora, a posição se altera em 50 km, pois a velocidade do móvel é de 50 km/h, ou seja, ele percorre 50 km a cada hora.

*VELOCIDADE: NEGATIVA E POSITIVA

     Em alguns casos, a velocidade pode ser negativa. O que isso significa? A velocidade negativa indica que o móvel está andando no sentido contrário ao da orientação do eixo da trajetória. O movimento, nesse caso, é chamado movimento retrógrado

     A velocidade é negativa porque o valor da posição diminui com o tempo. Consequentemente, o deslocamento (∆S) também se torna negativo.

     Quando o móvel caminha a favor do eixo da trajetória, o movimento é chamado movimento progressivo. Sua velocidade e seu deslocamento são positivos.




Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática





Velocidade média, Velocidade instantânea e Ponto material

* VELOCIDADE MÉDIA
   
     Velocidade média (Vm ) é a relação entre o deslocamento de um móvel e o intervalo de tempo que ele leva para realizar esse deslocamento. Matematicamente, a velocidade média é representada assim:

* VELOCIDADE INSTANTÂNEA

     Quando o ponteiro do velocímetro de um automóvel aponta para o número 60, quem está no automóvel entende que, naquele instante, o carro está se movimentando à velocidade de 60 km/h. Após algum tempo, o velocímetro indica 100. Significa que, nesse instante, a velocidade é de 100 km/h.

     A velocidade marcada em cada instante no velocímetro do automóvel é chamada de velocidade instantânea.

     Repare que, no percurso de um móvel, a velocidade instantânea pode mudar a cada instante. A velocidade média estará sempre entre a maior e a menor velocidade instantânea do percurso.

     Em geral, as placas de trânsito indicam o limite de velocidade em quilômetro por hora, pois os velocímetros dos automóveis usam essa unidade. Em outras situações, principalmente no estudo de cinemática, é mais comum o uso da unidade metro por segundo (m/s) para indicar a velocidade, principalmente porque essa é a unidade oficial do SI para a velocidade.

      Vejamos como se pode fazer a conversão de km/h para m/s e vice-versa.

     Sabendo que 1 km = 1000 m e 1 h = 3600 s, temos:


     Então:

 - se a velocidade estiver expressa em km/h, para convertê-la em m/s deve-se dividir o número de km/h por 3,6 m/s. Exemplos:


- se a velocidade estiver expressa em m/s, para convertê-la em km/h basta multiplicar o número de m/s por 3,6. Exemplos:

                                                   v = 10 m/s = 10 . 3,6 = 36 km/h
                                       
                                                   v = 25 m/s = 25 . 3,6 = 90 km/h

*PONTO MATERIAL

     Sabemos que no campo de cinemática as dimensões de um móvel não são relevantes para o estudo da situação. Portanto pode-se considerar o móvel como um ponto que se desloca numa trajetória. Esse ponto é chamado ponto material, pois, apesar de suas dimensões não serem consideradas, ele é dotado de matéria e se desloca no espaço. desse modo, uma pessoa, um inseto, uma bolinha de gude, um automóvel, um avião ou um trem podem ser considerados exemplos de ponto material.


Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática



Mecânica: movimento referencial e velocidade

* MECÂNICA

     É comum as pessoas usarem a palavra mecânica nas situações em que movimentos ou forças estão presentes. Em física essa palavra diferente do que as pessoas normalmente pensam. Ela vem do grego mechaniké, que significa " arte de construir máquinas". Em geral, as máquinas são construídas para produzir algum tipo de movimento ou de força.

     A mecânica - que faz parte dos conhecimentos da física - estuda tanto os movimentos como o equilíbrio dos corpos e as forças que os provocam.

     Quando se descreve um movimento sem considerar cono ele foi provocado ou como é o objeto em movimento, estamos na área da mecânica denominada cinemática. Por exemplo, quando em movimento, assistimos a um corrida de Fórmula 1, em geral ficamos atentos ao tempo que os carros gastam para concluir uma volta, à distância entre os carros ou à velocidade máxima que o mais rápido consegue atingir. Aspectos como esses fazem parte da cinemática.

     Quando consideramos as causas de um movimento e as características do objeto que se movimenta ou que se equilibra, estamos no campo da mecânica denominado dinâmica.  Voltando ao exemplo da corrida de Fórmula 1, se nos interessamos pelo aerodinâmica ( característica associada à forma do carro e que lhe permite vencer com eficiência a resistência do ar ), pela aderência dos pneus à pista ou pela potência dos motores entramos no campo da dinâmica. A palavra dinâmica vem do grego dynamis, que quer dizer força.

     A causa do movimento é a força. 

* MOVIMENTO E REFERENCIAL

     Um corpo está em:

- repouso, se a sua posição no espaço em relação a um referencial não muda com o passar do tempo;
- movimento, se a sua posição no espaço em relação a um referencial muda com o tempo.

     Um corpo em movimento é chamado móvel. Em cinemática, o tempo espaço se refere a todas as posições que um móvel pode ocupar.

     Imagine-se dentro de um carro em movimento. Ao olhar pela janela você percebe outro carro ao lado, movendo-se na mesma velocidade que o seu. Apesar de ambos serem móveis em relação ao chão ou em relação ao seu, pois a posição dele no espaço não muda em relação a você, por exemplo.

* MOVIMENTO E VELOCIDADE

     Um conceito fundamental em mecânica é o de velocidade. Trata-se de uma grandeza física usada para medir o movimento. Mas antes de estudar o conceito de velocidade precisamos entender os seguintes conceitos físicos: posição, deslocamento e intervalo de tempo.

* POSIÇÃO

     Posição é a localização de um móvel em relação ao referencial adotado.

     Em linguagem matemática, a posição costuma ser representada pela letra S. Trajetória é o caminho percorrido por um móvel.

     para definir matematicamente a posição de um móvel é preciso marcar em sua trajetória:

- um ponto inicial, que é chamado origem;
- uma escala ( de 10 m em 10 m, de 10 km em 10 km, etc.);
- uma direção ( horizontal ou vertical, por exemplo).

     Assim, a trajetória passa a ter um referencial, que é a origem.

* DESLOCAMENTO

     O deslocamento é a diferença entre duas posições ocupadas pelo móvel: a posição final (S) e a inicial (S0). Matematicamente, o deslocamento é representado assim:  ∆S = S – S0

     Nessa equação,  ∆S ( lê-se "delta S") corresponde ao deslocamento descrito pelo móvel. Em física, a letra grega delta maiúscula∆ ) significa variação. Desse modo, o deslocamento pode ser entendido como a varição da posição de um móvel.

* INTERVALO DE TEMPO

     O intervalo de tempo (∆t) é o tempo transcorrido entre dois instantes considerados. Em física, o tempo costuma ser representado pela letra t.

     O intervalo de tempo é obtido pela diferença entre o instante considerado (t) e o instante inicial
(  to). Matematicamente, o intervalo de tempo é representado assim: ∆t = t – t0  


Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática

Medições e unidades de medida

*MEDIÇÕES E UNIDADE DE MEDIDA     

     Sempre que nos referimos a uma medida, é necessário estabelecer a unidade de medida. Por exemplo, o comprimento de uma sala pode ser expresso em metros ou centímetros, que são unidades de medida de comprimento.

     A medição de qualquer gradeza ( comprimento, massa, volume, área ) requer o uso de um padrão de unidade de referência, como o metro, o centímetro, o quilômetro.

     Mas qual deve ser o padrão? Como escolher mais adequado?


*O SISTEMA MÉTRICO DECIMAL

     Após a Revolução Francesa   1789), os franceses criaram o Sistema Métrico Decimal.
   
     A unidade de medida definida para a grandeza comprimento foi denominada metro; estabeleceu-se a dimensão do metro como a de uma barra padrão composta de platina ( 90%) e irídio ( 10%).

     A unidade de medida definida para a grandeza volume de um decímetro cúbico ( 1 dm³). 

     A unidade de medida definida para a grandeza massa foi denominada quilograma; estabeleceu-se que 1 quilograma correspondia à massa de um decímetro cúbico de água ( um litro de água) na temperatura de 4,44°C.

     Assim, o Sistema Métrico Decimal adotou o metro, o litro e o quilograma como unidades básicas de medida criadas a partir do metro.

* O SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADES ( SI)

     Na década de 1960 passou-se a adotar mundialmente o Sistema Internacional de Unidades ( SI). Tal sistema pode ser considerado como a expressa moderna, ampliada e atualizada do Sistema Métrico Decimal.

     Vamos considerar a grandeza massa. A unidade padrão de massa do SI é o quilograma; mas, dependendo do que se quer medir, podem ser usadas medidas como o miligrama, o grama e a tonelada.

     Prefixos como quilo e mili são utilizados para expressar, respectivamente, unidades 1000 vezes maiores e unidades 1000 vezes menores.

     A tabela a seguir apresenta algumas equivalências entre as unidades de massa.











Fonte: CARLOS BARROS. WILSON PAULINO, CIÊNCIAS FÍSICA E QUÍMICA 9º ano, Ed. Ática

Fracionamento de misturas homogêneas

  *FRACIONAMENTO DE MISTURAS HOMOGÊNEAS 

     Podemos considerar três tipos básicos de misturas homogêneas: líquido-sólido, líquido-líquido e gás-gás.

*MISTURAS LÍQUIDO-SÓLIDO

     Os processos mais usados são a evaporação e a destilação simples.

*Evaporação

     Provoca-se a evaporação do líquido, para se obter o componente sólido. É o que se faz, por exemplo, nas salinas: a água do mar é recolhida em tabuleiros grandes e rasos, para que a água se evapore e o sal fique livre.

*Destilação simples

     Submete-se a mistura a aquecimento em aparelhagem especial, constituída principalmente pelo destilador, provocando a ebulição do líquido, cujos vapores se condensam e são recolhidos em outro recipiente, já novamente no estado líquido.

     Esse processo pode ser usado, por exemplo, para separar o sal da água. É o processo que se usa para obter água quimicamente pura, a água destilada, a partir de qualquer mistura cujo componente principal seja a água.

*Mistura líquido-líquido

     As substâncias que formam misturas homogêneas de líquidos com líquidos geralmente são separadas pelo processo de destilação fracionada. Consiste em aquecer a mistura em aparelhagem semelhante á utilizada para destilação simples e recolher as substâncias uma a uma, á medida que forem sofrendo condensação, ou seja, estiverem voltando ao estado líquido.

     Esse processo permite uma separação fácil dos líquidos quando eles possuem ponto de ebulição bem deferentes.

     A mistura de água, álcool e éter é um bom exemplo.

     O éter ferve a 34°C, o álcool a 78°C e a água a 100°C. Assim, aquecendo-se a mistura, quando ela chega a 34°C o éter entra em ebulição, podendo ser recolhido depois de se liquefazer. Terminado o éter da mistura, esta pára de ferver e a temperatura começa a aumentar, até atingir 78°C, quando, então, o álcool entra em ebulição e pode ser recolhido depois de liquefeito. Quando cessa a ebulição a temperatura começa a subir, significa que só existe água no que antes era uma mistura. Pode-se, então, desligar o aparelho, pois os três líquidos já estão separados.

*Misturas gás-gás

     Toda mistura de gases é homogênea, pois os gases misturam-se em qualquer proporção.

     Para separar os componentes desse tipo de mistura, geralmente utiliza-se a combinação de dois processos: a liquefação simples e a destilação fracionada.

     Um exemplo importante é o da separação do dois componentes mais abundantes do ar: o nitrogênio e o oxigênio. Para isso, o ar é colocado em um cilindro adequado e submetido a aumento de pressão e abaixamento de temperatura, até ocorrer a liquefação da mistura.

     Em seguida, o cilindro contendo o ar liquefeito é adaptado a outro cilindro, e a pressão é reduzida.

     O nitrogênio, que tem ponto de ebulição mais baixo, passa para o novo cilindro; o oxigênio, de ponto de ebulição mais alto, permanece mo primeiro cilindro.




Fonte:  Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.






Fracionamento das misturas heterogêneas.

* FRACIONAMENTO DAS MISTURAS

     As amostras que tomamos da natureza são quase sempre misturas. No entanto, a Química não estuda misturas, e sim as substâncias que as formam. Sendo assim, um passo importante é separar as substâncias que formam as misturas, para então poder estudá-las. A separação das substâncias de uma mistura é também conhecida por fracionamento, o que significa retirar as frações ( partes ) que formam a mistura.

     O fracionamento de misturas normalmente é feito com a utilização de processos físicos, pois estes não alteram as propriedades das substâncias.

     Vamos estudar primeiro o fracionamento das misturas heterogêneas e depois o das homogêneas.

* FRACIONAMENTO DE MISTURAS HETEROGÊNEAS

     Para realizar o fracionamento de misturas heterogêneas, o primeiro passo é classificá-las quanto ao estado físico de seus componentes. Nesse sentido, as misturas heterogêneas podem ser quatro tipos: sólido-sólido, sólido-líquido, sólido-gasoso, líquido-líquido.

*Misturas sólido-sólido

     Os processos utilizados para a separação dos componentes de uma mistura sólido-sólido são: catação, peneiração ( tamisação), separação magnética, ventilação, levigação e dissolução fracionada.

*Catação

     Trata-se de processo rudimentar e cotidiano, empregado somente quando as partes da mistura são evidentes e soltas, podendo ser separadas com as mãos ou com pinças.

     Um exemplo de nosso dia-adia é a catação do feijão, antes de colocá-lo para cozinhar.

*Peneiração ou tamisação

     A peneiração também é um processo simples e rudimentar. É empregado quando os componentes da mistura são grãos de tamanhos diferentes.

     Um exemplo bastante comum é a separação da areia fina da areia grossa, usando-se uma peneira ou um tamis.
   
*Separação magnética

     É um processo usado para separar metais magnéticos ( que são atraídos pelos ímãs) de metais não-magnéticos.

     Os principais exemplos de substâncias magnéticas são os metais ferrosos, o níquel e o cobalto.

*Ventilação

     Utilizada quando uma corrente de ar é capaz de arrastar o componente menos denso, sem arrastar o mais denso.

     Um exemplo comum é o da separação da casca de cerais.

*Levigação

     Na levigação, usa-se uma corrente de água para carregar o componente menos denso. ´` usada, por exemplo, para separar a areia do ouro nos garimpos.

*Dissolução fracionada

     Essa técnica é usada quando somente um componente é solúvel em um determinado líquido. O líquido dissolve o componente solúvel, possibilitando, assim, a separação.

     Um exemplo é a mistura de sal e areia, que pode ser fracionada dissolvendo-se sal em água.

*MISTURAS SÓLIDO-LÍQUIDO

     Os três principais processos de fracionamento de misturas sólido-líquido são: decantação, centrifugação e filtração.

*Decantação

     Consiste em deixar a mistura em repouso, até que o componente sólido se deposite por ação da gravidade.

*Centrifugação

     A centrifugação pode ser considerada uma decantação forçada. Trata-se de aplicação da força centrifuga: fazendo-se girar rapidamente uma mistura, as substâncias mais densas vão para o fundo do recipiente, ficando as menos densas em cima.

     A centrifugação é realizada em aparelhos chamados centrífugas, ou centrifugadores.

     Um exemplo da utilização do processo de centrifugação é a do sangue, necessária para determinados exames.

     Com a centrifugação, as células do sangue vão para o fundo, separando-se do plasma sanguíneo.

*Filtração

     Despeja-se a mistura cuidadosamente sobre uma superfície porosa, o filtro, que deixa passas o líquido, mas retém a parte sólida.
 
     Existem vários tipos de filtros, e a escolha depende da mistura a ser separada.

     Dois exemplos de filtração usados no nosso dia-a-dia são a preparação do café e a filtração da água.

     Para o preparo do café são usados principalmente filtros de papel ou pano. A filtração doméstica da água é feita principalmente com filtros de porcelana ( vela ).

*MISTURAS SÓLIDO-GASOSO

     O processo de fracionamento mais comum baseia-se na filtração. O exemplo mais conhecido é o do aspirador de pó. A ventoinha do aspirador aspira a mistura de ar com poeira. Um saco de pano, ou de papel funciona como um filtro, retendo o pó e deixando passar o ar.

*MISTURAS LÍQUIDO-LÍQUIDO

     O processo usado é o da decantação, também conhecido por método do funil de bromo ( funil de decantação ).

     Esse processo consiste em submeter a mistura a uma decantação em um funil especial, o funil de bromo.

     Abrindo-se a torneira do funil, o líquido mais denso, que está embaixo, passa e é recolhido em um vasilhame. O outro líquido fica retido no funil. Dessa forma, os os dois líquidos ficam separados.

     É processo muito usado, por exemplo, para separar água e óleo.


Fonte:  Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.




Misturas homogêneas e heterogêneas

 * Misturas homogêneas e heterogêneas  

     Você já sabe que mistura é formada por dois tipos ou mais de matéria. No entanto, nem sempre conseguimos distinguir cada uma das substâncias que estão misturadas. É, por exemplo, o caso da mistura da água com o açúcar e também o da mistura dos gases que formam o ar atmosférico.

     Nessas misturas, as diferentes substâncias se atraem de tal modo que não há superfície de separação entre elas. Toda mistura desse tipos apresenta, então, um s´aspecto. Dizemos que essas misturas são homogêneas.

*Misturas homogêneas - as que não apresentam superfície de separação entre as substâncias que as compõem.

     As misturas homogêneas são também chamadas soluções.
     Em Química, cada especto da mistura tem o nome de fase. Assim, as misturas homogêneas apresentam uma única fase.

     As propriedades das misturas homogêneas são iguais em todos os pontos da mistura. Quando você observa, por exemplo, o vinagre não percebe que ele é formado por 96% de água e 4% de ácido acético; o mesmo é válido para o álcool comum, formado por 96% de álcool e 4% de água.

     Você certamente já viu também diversas misturas nas quais é fácil perceber duas ou mais fases: a mistura de água com areia, a mistura de água com óleo e muitas outras. Misturas como essas são chamadas de misturas heterogêneas.

*Misturas heterogêneas - as que apresentam superfície de separação entre as substâncias que as formam.

     As propriedades das misturas heterogêneas não são iguais em todos os pontos da mistura.

     Para classificar as misturas em homogêneas e heterogêneas, usamos a observação visual, a olho nu ou com o auxílio de microscópio. 

     Muitas vezes, uma mistura apresenta-se homogênea a olho nu, mas revela-se heterogênea ao microscópio. Assim, você deve dizer se a mistura é homogênea ou heterogênea e esclarecer como ela foi observada.

     

Fontes:  Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.




Mistura: substância simples e composta

Mistura

     A água comum, que encontramos na natureza, também não é uma substância pura, pois contém diversas substâncias dissolvidas e em suspensão. Dizemos, então que a água encontrada na natureza é uma mistura de diversas substâncias, como acontece também com o ar, que é formado por diversos gases, vapor de água e outros componentes eventuais.

* Mistura: qualquer porção de matéria formada por duas ou mais substâncias diferentes.

*A ÁGUA NA NATUREZA

     Toda água que chega até nós é uma mistura; não é água quimicamente pura.

A água do mar contém grande quantidade de cloreto de sódio, que é o sal comum de cozinha. A água dos rios, lagoa e lagoas não contém cloreto de sódio, mas nela são encontrados vários outros sais dissolvidos.

    Na natureza, a água que inicialmente é pura é a da chuva, constituída pela união de gotículas que formam as nuvens. Ao atravessar a atmosfera, no entanto, a água da chuva dissolve diversas substâncias e já chega como mistura até a superfície da Terra. ao atingir os rios, os mares e as lagoas, a água da chuva mistura-se à água ali existente; ao atingir o solo, penetra-o e dissolve diversas substâncias que ali existem e que chegam algumas vezes até os lençóis freáticos ( lençóis subterrâneos de água).

*SUBSTÂNCIA SIMPLES E COMPOSTA

     Algumas substâncias são formadas por um só tipo de átomo e outras são formadas por mais de um tipo. As formadas por um só tipo de átomo são chamadas de substâncias simples e as formadas por mais de um tipo são denominadas substâncias compostas.

    Nas fórmulas das substâncias é escrito um número, abaixo e à direita do símbolo de cada elemento químico. Esse número é um índice e indica a quantidade de átomos do elemento que entra na composição de cada molécula da substância. Dizemos que ele indica a atomicidade.

*Atomicidade: número de átomo que entram na formação da molécula da substância simples.

     Podemos, então, dizer que:

     *gás oxigênio é uma substância simples diatômica, pois cada uma de suas moléculas é formada por dois átomos iguais de oxigênio ( O2 );
     *ozônio é uma substância triatômica ( O3).

*ALOTROPIA

     O elemento químico oxigênio forma duas substâncias simples diferentes: o oxigênio e o ozônio.

     O elemento químico carbono também forma duas substâncias simples: a grafite e o diamante.

     esse fenômeno, em que um mesmo elemento químico forma substâncias simples diferentes, é a alotropia.

*Alotropia: fenômeno pelo qual um mesmo elemento químico forma duas substâncias simples diferentes.

     Entre os alótropos, um deles é sempre mais estável do que o outro. O menos estável é chamado metaestável e se transforma espontaneamente na forma estável.

     O ozônio, por exemplo, transforma-se espontaneamente em oxigênio, e o diamante transforma-se em grafite.

   
Fontes:  Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.




Substâncias e Misturas ( elementos químicos , tabela periódica )

*INTRODUÇÃO

     Alguns séculos antes de Cristo, já se aceitava que a matéria era formada por partículas muito pequenas. Essas partículas, sendo a menor porção da matéria, eram consideradas indivisíveis e por isso receberam o nome de átomos. Atualmente, no entanto, sabemos que ele pode ser dividido e conhecemos a sua constituição.

*ELEMENTO QUÍMICO

      Atualmente, são conhecidos  os elementos do número atômico 1 (hidrogênio) ao 118 (Ununóctio) foram descobertos ou sintetizados, sendo as adições mais recentes (elementos 113, 115, 117 e 118) confirmadas pela IUPAC em dezembro de 2015. Os primeiros 94 elementos existem naturalmente, embora alguns sejam encontrados somente em quantidades de trações e foram sintetizados em laboratório antes de serem encontrados na natureza.  Elementos com o número atômico de 95 ao 118 foram somente sintetizados em laboratório ou reatores nucleares. Têm sido buscada a síntese de elementos com números atômicos maiores. Vários elementos radionuclídeos sintéticos ou que ocorrem naturalmente também têm sido produzidos em laboratórios.














     O conjunto de cada um desses tipos de átomos representa um elemento químico.

Todo elemento químico tem um nome e pode ser representado por um símbolo. O símbolo é formado por uma ou duas letras, retiradas do nome do elemento em latim.

     Como você pode observar na tabela, o símbolo tem duas letras sempre que existe mais de um elemento cujo nome latino tem a mesma letra inicial.

*SUBSTÂNCIA QUÍMICA

     Um pouco mais  de 100 elementos químicos e eles formam milhares de substâncias químicas diferentes!

     Como isso é possível? Simplesmente porque os átomos dos elementos químicos podem se reunir, formando grupos chamados moléculas e grupos aglomerados iônicos. Cada grupo forma uma substância química.

     esses grupos, moléculas ou aglomerados iônicos, podem ser formados por vários átomos diferente e sem número que obedece a determinadas leis da Química, as quais você estudara logo mais.

     A representação da composição química de uma substância é a fórmula química dessa substância. Por exemplo, a fórmula química da água é H2O.

     Note que a fórmula química informa a quantidade de átomos de cada elemento químico que entra na composição da molécula. O número de átomos é indicado por um índice colocado ao lado do símbolo de elemento químico; quando esse número é 1, não é feita nenhuma indicação.

     O quadro a seguir mostra apenas seis exemplos de substâncias formadas com hidrogênio, oxigênio e carbono. existe, no entanto, um número muito grande de substâncias formadas por apenas esses três elementos.

     Quando uma porção de matéria é formada somente por grupos idênticos, dizemos que ela é uma substância pura.

*Substância pura: qualquer porção de matéria formada por átomos, moléculas ou aglomerados iônicos iguais entre si.

     Assim, por exemplo:

     *uma porção de matéria constituída somente por moléculas H2O é ums substância pura água;
     *uma porção de matéria formada somente por aglomerados iônicos NaCl é a substância pura cloreto de sódio, o nosso sal comum de cozinha.


Fontes:  Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade. https://pt.wikipedia.org/wiki/Tabela_peri%C3%B3dica#/media/File:Periodic_table_pt.svg





Mudanças de estado físico da matéria: sólido, líquido e gasoso. ( solidificação, condensação, fusão e vaporização).

 *MUDANÇAS DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA

 A matéria pode mudar de um estado físico para outro, por influência de alguns fatores, dos quais um dos principais é a variação de temperatura.

     Cada substância pura muda de estado físico numa temperatura. Assim, por exemplo, o ferro derrete quando é aquecido à temperatura de 1500°C, isto é, passa o estado líquido, podendo ser despejado em uma vasilha, da mesma maneira que fazemos com a água.

     O nitrogênio, gás que ocorre em maior quantidade no ar, passa ao estado líquido quando resfriado a 196°C abaixo de zero.

     A maior parte da água é líquida entre 0°C e 100°C, sólida abaixo de 0°C  e está no estado gasoso ( vapor) acima de 100°C. Dizemos, então, que:
*0°C é o ponto de fusão e também de solidificação da água;
*100°C é o ponto de ebulição e também de condensação ( liquefação) da água.

     Esses valores são calculados para a água submetida a pressão normal, que é a pressão no nível do mar.

     À medida que aumenta a altitude, a pressão atmosférica diminui e a água entra em ebulição ( ferve) a uma temperatura cada vez menor, chegando a entrar em ebulição espontânea, a partir de certo ponto.

*EXEMPLOS DE MUDANÇAS DE ESTADO FÍSICO  

     - Fusão: passagem do estado sólido para o estado líquido. Exemplo: o chumbo se funde a 1500°C.

     - Vaporização: passagem do estado líquido para o gasoso. Podemos considerar 3 tipos de vaporização: evaporação, ebulição e calefação.

*A evaporação é a passagem lenta, que ocorre à temperatura ambiente. É a evaporação das águas de superfície, dos rios, dos mares, das lagoas, etc.

*A ebulição ocorre por aumento de temperatura. Exemplos: no nível do mar ( pressão normal), a água entra em ebulição a 100°C e o álcool comum a 78°C, aproximadamente.

*A calefação é a vaporização rápida, quase instantânea, de um líquido colocado em uma superfície muito quente, de temperatura muito superior à de ebulição desse líquido. É o que ocorre, por exemplo, quando colocamos uma gota de água sobre uma chapa de ferro superaquecida: a gota praticamente nem toca a superfície, pois sua parte inferior é transformada em vapor e ela rapidamente se vaporiza..

     - Liquefação ou condensação: passagem do estado gasoso para o estado líquido.

     Exemplos: vapor de água, ao ser resfriado, passa para o estado líquido ao atingir a temperatura de 100°C; o nitrogênio, que é um gás, passa para o estado líquido quando sua temperatura é abaixada a   - 196°C.

     Solidificação: passagem do estado líquido para o sólido. Exemplo: a água líquida vira gelo, ou seja, passa para o estado sólido, quando diminuímos sua temperatura 0 °C .

     Sublimação e ressublimação: aquecendo alguns corpo sólidos, como o iodo, eles passam diretamente para o estado gasoso, sem que possamos perceber a passagem pelo estado líquido. É o que se chama de sublimação. A volta também ocorre: os valores obtidos rapidamente voltam ao estado sólido: é a ressublimação ou sublimação inversa.

     Em alguns casos, sublimação e a sublimação inversa ( ressublimação ) ocorrem espontaneamente, sem necessidade de aquecimento, como acontece com a naftalina, substância utilizada para matar baratas e outros insetos. Nesse caso, esses processos são lentos, pois ocorrem á temperatura ambiente.

    A sublimação e sublimação inversa ocorrem porque os pontos de fusão e de ebulição dessas substâncias são muito próximos, praticamente os mesmos.


Fonte: Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.


Propriedades específicas da matéria - organolépticas, físicas e químicas.

     Existem propriedades que ocorrem em determinadas substâncias, mas não são observadas em outras. Essas são as propriedades específicas, ou seja, propriedades que caracterizam essas substâncias. Isso ocorre porque existem diferentes espécies de matérias, isto é, as matérias não são iguais entre si. Assim, por exemplo, a água tem propriedades que o ouro não tem, o ouro tem propriedades que o oxigênio não tem e assim por diante.

     As diferentes espécies de matérias denominam-se substâncias. fala-se, então, em substância água, substância ouro, substância oxigênio, etc.

*SUBSTÂNCIA: cada uma das diferentes espécies de matéria.

     As propriedades específicas possibilitam distinguir uma substância de outra.

     Podemos dividir as propriedades específicas em organolépticas, físicas e químicas.

* PROPRIEDADES ORGANOLÉPTICAS

     As propriedades organolépticas são as que impressionam os nossos sentidos, como, por exemplo:

* a forma e o estado físico - percebidos pelo tato;

* a cor e o brilho - percebidos pela visão;

* o sabor - percebido pelo paladar;

* o odor - percebido pelo olfato.

     A visão, o olfato e o paladar nos informam, por exemplo, que a água pura é : incolor, inodora e insípida.

*PROPRIEDADES FÍSICAS

     As propriedades físicas são as que estão relacionadas com qualquer fenômeno físico, aqueles que não alteram a estrutura interna da matéria. Assim, fusão, a solidificação e todas as outras mudanças de estados físicos da água, por exemplo, são propriedades físicas, pois a água é sempre a mesma, no estado sólido, líquido ou gasoso.

     Outros exemplos de propriedades físicas são os pontos de fusão, de ebulição e de liquefação ( condensação). Esses pontos correspondem ás temperaturas nas quais, sob pressão constante, as substâncias passam, respectivamente, de estado sólido para líquido, de líquido para gasoso e de gasoso para líquido.

     Outra propriedade física, que você já conhece, é a densidade.

     A densidade é uma das mais importantes propriedades específicas das substâncias, pois não existem duas substâncias que, nas mesmas condições, tenham a mesma densidade.

     Quando dizemos que um material é mais denso que outro, significa que ele possui maior massa por volume ocupado. Por exemplo, se compararmos volumes iguais de água e de ferro, o ferro terá massa muito maior. Isso significa que o ferro é mais denso do que a água.

*OS ESTADOS FÍSICOS

     As partículas que formam a ma´téria podem estar muito próximas entre si, fazendo com que a matéria adquira forma e volume constantes. Quando isso acontece, dizemos que a matéria está no estado sólido. É o que ocorre com um pedaço de ferro ou com uma barra de gelo.

Se a matéria mantiver o volume constante, mas mudar de forma, adquirindo a forma do recipiente que a contém, dizemos que ela está no estado líquido.É o que ocorre com a água, que podemos passar de uma garrafa para um copo e depois para uma jarra: ela vai mudando de forma, mas continua com o mesmo volume.

No estado gasoso, as partículas mantêm maior distância entre si e movimentam-se livremente e com grande velocidade. Não há forma nem volume constante.

*Sólido: forma e volume constante.
*Líquido: forma variável e volume constante.
*Gasoso: forma e volume variáveis.

     Uma mesma substância pode se apresentar nos três estados físicos. A água, por exemplo, é encontrada líquida ( rios, oceanos), sólida ( gelo em montanhas, icebergs, calotas polares) e no estado gasoso ( na atmosfera).

     Observando a natureza terrestre, nós só encontramos matéria nestes três estados físicos: sólido, líquido e gasoso. De fato, na Terra e nos demais planetas, a matéria ocorre apenas nesses três estados, em condições naturais.

     Nas estrelas, no entanto, toda a matéria encontra-se em um quarto estado físico, o plasma.

    O plasma é um estado além do estado gasoso, isto é, em que há maior concentração de energia da matéria. é o estado físico em que se apresentam as estrelas, como o Sol.

     Isso ocorre devido à altíssima temperatura, que, no Sol, gira em torno de 6000°C na superfície e é superior a 20 milhões no interior.

    Estados físicos da matéria: sólido, líquido, gasoso e plasma.
O estado de plasma não ocorre em condições naturais na Terra.
   


Fonte: Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.






Propriedades gerais ( massa, extensão, impenetrabilidade, divisibilidade, compressibilidade e elasticidade) da matéria química 9º ano.

A Matéria

* Propriedades gerais da matéria.

     Observando um corpo, é muito fácil perceber que ele ocupa um certo espaço, pois podemos ver claramente seus limites. Esse espaço ocupado pelo corpo é a sua  extensão ( espaço ocupado pela matéria) e corresponde ao volume do corpo.

     Toda matéria possui extensão, mesmo que não esteja constituindo um corpo e que, isso, não possamos visualizar o seu volume. Assim, o oceano e a atmosfera possuem extensão, embora não possamos enxergar os seus limites nem visualizar os seus volumes.

     Toda matéria tem a tendência de conservar o seu movimento ou o seu repouso. Essa propriedade chama-se inércia e é muito fácil de ser observada em qualquer corpo.

     Assim, por exemplo, é fácil deslocar um corpo de grande peso. É também difícil fazer com que ele pare quando está em movimento.

     A inércia depende da quantidade de matéria: quanto maior for a quantidade de matéria, maior será a inércia.

    A medida da inércia é a massa. Assim, quanto maior for a massa, maior será a inércia.

    Como a massa é medida da inércia e a inércia depende da quantidade de matéria, para facilitar o entendimento podemos considerar a massa como a quantidade de matéria de um corpo.

    A massa e o volume são propriedades essenciais de todo corpo e de toda matéria. A divisão da massa pelo volume nos dá a densidade absoluta ou a massa específica do corpo.


   Como, no Sistema Internacional de Unidades ( SI), a unidade que mede a massa é o quilograma ( kg) e a unidade que mede o volume é o metro cúbico ( m³ ),, a unidade que mede a densidade é o quilograma por metro cúbico ( kg/m³ ).

    Podemos também usar qualquer múltiplo ou submúltiplo dessas unidades: grama por centímetro cúbico ( g/cm³), quilograma por decímetro cúbico ( kg/dm³). etc.

    Toda matéria possui massa e extensão ( volume). Essas são portanto, propriedades gerais da matéria.

    Outras propriedades gerias, isto é, propriedades encontradas em toda a matéria, são divisibilidade, impenetrabilidade, compressibilidade e elasticidade.

* DIVISIBILIDADE
    Experimente colocar uma pequena quantidade de sal comum em um copo de água: após algum tempo, você não verá mais o sal.

    O que aconteceu?

    O sal é um aglomerado de pequeníssimas partículas, que se separam na água e se acomodam entre os espaços vazios das partículas da água.

    No caso do sal, ele simplesmente se divide quando é colocado na água. Dizemos que o sal se dissolve na água. isso acontece também com outras matérias, mas não com todas..

    De uma forma ou de outra, toda matéria pode ser dividida em porções cada vez menores. essa propriedade chama-se divisibilidade.

*IMPENETRABILIDADE
    Se uma pessoa entrar em uma piscina ou em um pequeno tanque, totalmente cheios com água, uma parte dela será derramada.

    Por que isso acontece? 

    Porque a criança e a porção de água que corresponde ao espaço ocupado por ela não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo. Essa propriedade é a impenetrabilidade.

Divisibilidade: propriedade que a matéria possui de poder ser dividida em partes cada vez menores.

Impenetrabilidade: propriedade que possui a matéria de não ocupar o mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo que outra matéria.

* COMPRESSIBILIDADE E ELASTICIDADE

    Quando a matéria sofre a ação de forças que a comprimem, seu volume é reduzido, ou seja, diminui o espaço que ocupa. Essa propriedade é a compressibilidade ( ou contratilidade).

    O inverso também ocorre: diminuindo-se a ação das forças que atuam sobre a matéria comprimida, ela se expande, aumentando o volume que ocupa. Essa propriedade é a elasticidade.

    A compressibilidade e a elasticidade são, como você pode perceber, propriedade opostas: uma causa a contração ( redução de volume ) e a outra causa expansão ( aumento de volume ).

    A compressibilidade e elasticidade são propriedades facilmente demonstradas na matéria gasosa, mas nos líquidos e sólidos elas não são observadas facilmente.


Fonte: Coleção Ciências, Cecília Valle 9º ano : Tecnologia e Sociedade.